3134472963 31984586542 31996170297

O Doberman

O Doberman - padrão oficial CBKC

Padrão FCI numero 143 - 14 fevereiro de 1994.

Padrão CBKC numero 143 - 02 de Agosto de 1994.

O Doberman - Problemas


A DIFERENÇA ENTRE DOENÇAS CONGÊNITAS, GENÉTICAS E HEREDITÁRIAS.

    As doenças congênitas são aquelas adquiridas antes do nascimento ou até mesmo depois do parto, no primeiro mês de vida, seja qual for a sua causa. Dentre essas doenças, aquelas caracterizadas por deformações estruturais são denominadas usualmente por anomalias ou malformações congênitas. Pode ser produzida por um transtorno durante o desenvolvimento embrionário ou durante o parto. A malformação congênita é uma condição presente ao nascimento. Pode ser definida como qualquer defeito na constituição de algum órgão ou conjunto de órgãos que determine uma anomalia morfológica estrutural presente no nascimento por causa genética, ambiental ou mista.
    Uma doença genética (ou transtorno genético) é uma condição patológica causada pela alteração do genoma. É aquela doença produzida por alterações no DNA. É como acontece, por exemplo, com a maioria dos cancros (câncer). A doença genética altera o cromossomo, mas não necessariamente se manisfesta; quando isso ocorre, ela é chamada de hereditária.
    As doenças hereditárias são aquelas doenças genéticas caracterizadas por transmitir-se de geração em geração, isto é, de pais para filhos, na descendência, e que pode ou não se manifestar em algum momento de suas vidas.

É importante compreender que doença genética não é sinônimo de doença hereditária. Doença genética é todo e qualquer distúrbio que afete nosso material genético. Portanto, qualquer doença não infecciosa, não contagiosa que afete o material genético, em maior ou menor escala, é uma doença genética.

DISPLASIA COXO FEMURAL (DCF)

DCF é a má formação da articulação do osso fêmur com a bacia; dessa forma os membros posteriores não se ajustam corretamente ao quadril, causando dor e, em casos severos, impossibilidade de locomoção.
O diagnostico pode ser feito através de raio-x, em casos severos mais cedo e após 2 anos de idade na maioria dos casos.

Existem casos assintomáticos onde o cão não demonstra dores e se locomove perfeitamente.

A melhor forma de verificação da doença é a radiografia das articulações coxofemurais, pois mesmo um veterinário ou criador experiente pode se enganar num diagnóstico de "olhômetro".

A classificação do grau de displasia é:

    HD- (grau A) - articulação normal / livre de displasia / isenta de displasia
    HD+/- (grau B) - quase normal / próxima do normal
    HD+ (grau C) - displasia leve
    HD++ (grau D) - displasia moderada
    HD+++ (grau E) - displasia severa

Infelizmente, é uma doença poligênica, recessiva e intermitente, que pode saltar uma ou mais gerações. Quanto mais gerações anteriores controladas, menores as chances de nascerem cães displásicos.
Fatores que podem desencadear o agravamento do problema, como exercícios demasiados, obesidade, piso escorregadio, suplementação inadequada e endogamia sem planejamento devem ser evitados.  DIFERENÇA ENTRE DOENÇAS CONGÊNITAS, GENÉTICAS E HEREDITÁRIAS.


O Doberman - Cores

Temos as duas cores preta e marron.